OS CONSELHEIROS

Silvio Sinedino, 64 anos, é casado tem três filhos, Engenheiro Eletricista pela PUC-Rio, Analista de Sistemas. Foi gerente de informática de Corretora de Valores; responsável, em empresa de consultoria, pelo processamento de Open Market de 14 Instituições Financeiras, participou ativamente da criação, em 1978, da APPD-RJ (Associação de Profissionais de Processamento de Dados do RJ). Petroleiro há 29 anos, aposentado há um ano, trabalhava como Analista de Sistemas no E&P. Ex-diretor do SINDIPETRO-RJ e da FUP, Ex-coordenador Geral da TV Comunitária Rio, é atual vice-diretor de Pessoal da AEPET e Conselheiro Deliberativo eleito da PETROS, sendo certificado pelo ICSS – Instituto de Certificação dos Profissionais de Seguridade. Primeiro representante eleito pelos trabalhadores no Conselho de Administração da Petrobrás. Co-autor, junto com Ronaldo Tedesco, do livro “GOVERNANÇA CORPORATIVA EM PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR – Faz diferença?”. Participou de todas as lutas dos petroleiros nos 28 anos enquanto na ativa.
_________________________________________________________________________________

Agnelson Camilo, 61 anos, solteiro, fez o curso de Magistério no Instituto de Educação do Amazonas e de Técnico em Química no DESU-Pará. Ingressou há 25 anos na Petrobrás. Sempre trabalhou no Laboratório de Geologia da UN-AM no cargo de técnico de Administração de Controle Pleno. Entrou no movimento sindical em1991 na direção do Sindipetro PA/AM/MA/AP onde atualmente é diretor secretário-geral. Foi um dos fundadores da FUP, na qual foi membro da direção colegiada na secretaria financeira, de imprensa e de relações internacionais até 2003, quando rompeu com a trajetória de entrega de direitos dos participantes da PETROS e dos trabalhadores petroleiros implantada pela sua direção. Hoje participa da Diretoria da FNP junto com os demais sindicatos combativos que romperam com a FUP, lutando por uma alternativa de luta. Exerce hoje a suplência do Conselho Deliberativo da PETROS na chapa eleita com Silvio Sinedino como titular.
_________________________________________________________________________________

Ronaldo Tedesco Vilardo, 51 anos, casado, uma filha, possui formação como eletrotécnico (CEFET-RJ), jornalista (UERJ). É formado como MBA em Engenharia do Planejamento com ênfase em Previdência Complementar pelo IDEAS/COPPE/UFRJ. É certificado pelo ICSS – Instituto de Certificação dos Profissionais de Seguridade. Trabalha na REDUC como Técnico de Operações Sênior. É co-autor com Silvio Sinedino do livro “GOVERNANÇA CORPORATIVA EM PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR – Faz diferença?”. É diretor de Comunicação da AEPET. Exerce hoje o cargo de Presidente do Conselho Fiscal da PETROS.
_________________________________________________________________________________

Marcos André dos Santos, 42 anos, soteropolitano descobre na adolescência a fé e a consciência critica através da Pastoral da Juventude no interior da Bahia. De volta a Salvador, participa da Pastoral Afro e ajuda a fundar um pré-vestibular comunitário, o Coequilombo. Foi militante estudantil secundarista e universitário como diretor do DA, do DCE/UFBA e da UNE. Formado em Ciências Contábeis pela UFBA, onde é acadêmico de Direito. Em 2006 é aprovado para técnico de contabilidade na Petrobrás. Insatisfeito com a discriminação do PCAC contra os técnicos de contabilidade e de outras carreiras do administrativo passa para Técnico de Suprimento. Desde o inicio da carreira sempre teve participação na vida da categoria duas vezes como cipista eleito e diretor do Sindicato do Ramo Químico e Petroleiro da Bahia. Inconformado com o sindicalismo pelego praticado pelos atuais dirigentes da FUP, organiza-se com outros companheiros e constroem uma chapa que mesmo contra toda máquina e truculência da FUP e da empresa consegue obter 55% dos votos dos trabalhadores da ativa e 40% do total. É diretor do Sindipetro/BA, sendo minoria da direção e por denunciar a falta de transparência da maioria fupista encontra se punido com suspensão do mandato. Uma história de militância de esquerda combativa e de não subordinação dos interesses da categoria aos patrões nem a pelegada que vende os direitos dos trabalhadores ativos, aposentados e pensionistas em troca de cargos e gerências.
_________________________________________________________________________________
Fernando Siqueira em 1972 foi aprovado em primeiro lugar na Petrobrás. Aposentou-se em 1995 como Gerente Geral de Projetos da Bacia de Campos. Presidente da AEPET em seu quinto mandato, foi presidente do Conselho Fiscal da PETROS e vice-presidente do Clube de Engenharia. ‘La Batalla por el Petróleo y el Gas en America Latina” é seu mais recente livro em parceria com autores latino-americanos. Autor de livros como Gasoduto Bolívia-Brasil e Glossário Neoliberal. Cursou MBA em Previdência Complementar. Dá palestras em todo país (80 só em 2010), no Congresso Mundial de Engenharia, Brasília 2009, em eventos importantes em Paris, em Lima e na Cidade do México. É ativista na campanha do pré-sal. Participação em audiências publicas na Câmara e no Senado Federal. Homem do Ano do Setor Energia da Federação Nacional dos Engenheiros, Sindicato dos Engenheiros de São Paulo e USP. Foi Conselheiro Deliberativo eleito e lutando contra a repactuação e sofreu 2 processos judiciais da diretoria da Petros. É hoje conselheiro fiscal da Petros.
_________________________________________________________________________________

Paulo Teixeira Brandão, petroleiro aposentado (Titular), admitido na Petrobrás/Reduc em 30.06.1961. Na Petrobrás Distribuidora exerceu funções gerenciais em todos os níveis. Autor do livro "Em Defesa dos Fundos de Pensão". Bacharel em Direito com experiência em Previdência Social Privada Fechada. Possui cursos de aperfeiçoamento ministrados pela Whorton School da Universidade da Pensilvânia, Filadélfia, EEUU – sobre Previdência Básica e Complementar Privada (anos 1994 e 1996); estágios em Fundos de Pensão da Europa e dos EEUU. Foi Diretor  da PETROS; Conselheiro Fiscal da PETROS e depois Conselheiro Deliberativo. Atualmente é suplente de Conselheiro Fiscal da PETROS Eleito pelos participantes na chapa com Fernando Siqueira.
_________________________________________________________________________________

Epaminondas de Souza Mendes (titular), admitido na Petrobras em 27 de abril de 1957, participante fundador da Petros, aposentou-se em 24 de agosto de 1979. A partir de 1989, passou a ser dirigente da Astape – BA; desempenhou a função de 1° secretário (1989-1993); foi eleito presidente da diretoria executiva (1993-1997); foi eleito como vice-presidente da diretoria executiva (1997-2000; 2000-2003); foi eleito presidente da diretoria executiva (2003-2006); em 2006, reeleito, por aclamação. Em 1957, matriculou-se em vários cursos patrocinados pela Petrobras. Diplomou-se em Técnico de Máquinas e Motores através da Escola de Engenharia Eletro-Mecânica da Bahia. É graduado em Teologia pela Faculdade de Teologia Charisma da Bahia. É hoje conselheiro deliberativo da Petros/.
_________________________________________________________________________________

Xerxenesky é suplente de Conselheiro Deliberativo da Petros eleito na chapa com Epaminondas de Souza Mendes.

8 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Sou assistido do plano petros/pqu, em que a Braskem em 30 de setembro de 2009 retirou o patrocinio e agora esta entrando na justiça para rescindir o termo de retirada alegando que a Petros nao cumpriu com os termos do referido termo de retirada, o que eu concordo, pois desde o pedido de retirada de patrocinio na data acima ate a homologação pela Previc em 30 de agosto de 2012 a Petros atraves de sua diretoria executiva, fiscal e conselho por pura incompetencia ou ma fe, ja que estavam sendo presididos por uma pessoa com processo de improbidade na prefeitura de sao paulo nao se preparou para no prazo de 90 dias efetuar os pagamentos devidos.
    A previc autorizou a transferencia de ativos entre os fundos para a devida liquidez, proposta essa que com a anuencia de vcs foi levada a Previc, mas depois vcs mesmo nao concordaram comessa proposta.
    Nos estamos tendo um enorme prejuizo pela incompetencia ou ma fe da Petros, Braskem e Previc.
    Com tudo isso quem ira pagar conta?

    ResponderExcluir
  4. Caro colegas sistema Petrobras e petroquisa pelo andar das coisas na petros vejo uma situação de total debandada para retirada de patrocínio a Braskem sócia da Petrobras que comprou tudo das centrais petroquímicas aniquilando a petroquisa que pra mim não existe mais só no papel. Agora se a PETROBRAS retirar o patrocínio como ficara a PETROS acho que ficara assim p e t r o s. O aerus está ai pra provar que existe possibilidade de acontecer na PETROS.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia

    Dúvidas e esclarecimentos à Petros, Braskem, Previc

    ASSUNTO IMPORTANTE: Aporte da insuficiência patrimonial feito pela Braskem a Petros em 2015 - somente final do Proceeso - é LEGAL ISSO?

    Liguei hoje de manhã para a Petros:
    A diferença do aporte da insuficiência patrimonial feito pela Braskem a Petros em 2015, ela não irá repassar ainda aos Ex-Assistidos, porque precisa finalizar o Processo de retirada da Copesul. (Braskem).
    Portabilidade: Temos prazo de 90 dias a partir do recebimento dos documentos enviados pela Petros via AR, para mudar amigavelmente ou passado este prazo feito judicialmente pela Petros/Braskem.Esta diferença do aporte da insuficiência patrimonial feitos pela Braskem a Petros, não iremos receber enqunto não for finalizado o processo de retirada da Copesul. (Braskem).
    A Petros não informará amigavelmente e nem extrato da diferença do aporte da insuficiência patrimonial feitos pela Braskem a Petros em 2015, individualmente ou no total do Plano Copesul. Isso o atendente me informou, Sr. Felipe (Terceirizado).
    Quem mudar de Portabilidade:Precisa avaliar isso: Não tem a transparência da Petros sobre o valor depositado pelo Braskem do aporte da insuficiência patrimonial feitos pela Braskem a Petros em 2015.......Com a transferência do Fundo Individual de Retirada e de eventuais sobras, na forma estabelecida no Termo de Retirada de Patrocínio, dou à Petros e à Braskem S.A. a mais ampla, rasa, geral e irrevogável quitação, para delas nada mais reclamar no presente e no futuro....(ler mais no Termo recebido por cada Ex-Assistido Petros/Braskem).
    Bom dia a todos.

    Francisco Crispim
    1025028

    ResponderExcluir
  6. Senhores Conselheiros,

    Tenho recebido respostas incompletas e confusas a respeito de valores de empréstimo, quando levo o assunto ao "fale conosco" e mesmo quando levo à Ouvidoria. Gostaria de saber a quem devo apresentar minhas dúvidas, uma vez que vejo desinteresse em me explicar, por parte dos procurados, as situações que tenho apresentado.
    danielfragoso@hotmail.com

    ResponderExcluir
  7. Todo aposentado Petrobras que estão inseridos nos regulamentos Petros antes de 1984 NÂO SE LIMITAM AO TETO E NEM ao limite 90% do mesmo!
    Há exemplos jurídicos recentes que ilustram esta situação.
    Em casos de reconhecimento de isonomias e níveis RMNR pela justiça isto está evidente no Regulamento Petros 1975 a todos os que nele se enquadram.
    Link exemplo jurídico:

    https://pje.trt15.jus.br/consultaprocessual/pages/consultas/DetalhaProcesso.seam?p_num_pje=413097&p_grau_pje=1&dt_autuacao=&cid=10268

    ResponderExcluir
  8. Bom dia Srs Conselheiros da Petros, não sei se esse canal de comunicação seria mais apropriado para poder expor minhas dúvidas e indagações.
    Sou beneficiário Petros - Ultrafertil e durante várias reuniões com nossa associação de aposentados (Astaul), estamos sendo informados dos déficits que vem ocorrendo desde 2014 no PPUF, e que o equacionamento seria inevitável e está para ocorrer agora em março.
    A Astaul entrou com uma ação para impedir o equacionamento, que na verdade irá gerar um rombo em nossas contas mensais. Visto que, se existe um déficit esse não foi gerado pelos beneficiários.
    Outro fator é a retirada de patrocínio da Vale, na qual ela tem uma dívida (FAT/FC) de +/- 900 milhões, o que equacionaria o nosso plano, mas isso ainda é uma questão jurídica entre a Vale, Petros e a Previc, e os Srs sabem muito bem que em briga de elefantes, que sai na pior é a grama.
    Também fiquei sabendo que o PPSP da Petrobras não houve equacionamento, isso procede? Se sim, o que foi levado em conta para não haver o equacionamento.
    Finalizando, agora pouco fui informado através de um beneficiário que entrou em contato com a ouvidoria Petros e ele foi informado pela própria ouvidoria que o nosso equacionamento foi postergado por 90 dias, isso procede?
    Por fim gostaria de saber dos Srs Conselheiros da Petros, o que poderíamos fazer além do que já está em andamento para que esse equacionamento não ocorresse e se há outras alternativas, quais seriam.
    No aguardo
    Att
    celsogervasio@hotmail.com

    ResponderExcluir